Créditos : The Enemy

Qual é o melhor atleta brasileiro do eSport na atualidade? Neste Zone mergulhamos neste complicado debate. Diga nos comentários também as suas opiniões!

O melhor do eSport no Brasil

Claudio Prandoni (CP): Nesse vídeo aqui a gente vai discutir um tema quente. Quente, delicado, talvez até polêmico. A gente vai tentar definir, ou pelo menos discutir, o assunto: qual é o maior brasileiro do esport na atualidade?

Angelo Sarmiento (AS): Na atualidade.

CP: Na atualidade. Vale frisar.

Breno Deolindo (BD): No momento de gravação deste vídeo.

CP: Isso. Nesse dia. Aniversário de Rafael Homer. Dia 12 de agosto: quem é o melhor brasileiro do esport? Tô aqui com o Angelo e o Breno, que são dois e-sportistas de carteirinha.

BD: Isto quer dizer que a gente acompanha, não que a gente joga bem.

CP: Exato. Quer dizer, dependendo do jogo... Rocket League.

BD: Sim, o Angelo joga bem. CS...

CP: Um Cszinho.

AS: É, um CS, um FIFA, a gente dá uma brincada.

BD: Dá pra desenrolar, não bem, mas dá.

Parte 1

CP: Olha, eu quero dar o pontapé inicial nesse debate não falando de futebol apesar de ter um pontapé inicial. Eu acho que a gente tem que começar falando do Fallen, que é um cara aí que tá há muito tempo competindo em alto nível.

AS: Sim.

CP: É referência no CS nacional e mundial. Enfim, já é protagonista de vários momentos marcantes do esport, inclusive aqui, no cenário nacional. Como cês veem a carreira do Fallen? Ele poderia ser o maior brasileiro do esport da atualidade, Angelo?

AS: Ele é um dos candidatos, né? Atualmente eu acho que ele não vem na melhor fase dele, mesmo ele ainda jogando em alto nível, mas eu acho que a gente pode considerar ele facilmente top 3, pelo tudo que ele já fez.

CP: Por quê? O quê que ele fez?

AS: Ganhou coisa, hein? O que o bichão ganhou no CS nenhum brasileiro, a não ser os que tavam junto com ele, ganharam, né?

CP: Tendi. Breno, cê concorda com essa colocação do Angelo?

BD: Cara, eu acho que o Fallen, em específico, ele é mais importante ainda pelo que ele fez fora do jogo.

CP: Tipo o quê?

BD: Tipo: ele fundou — ele é um dos fundadores da Gamer’s Club, é um dos sócios da Gamer’s Club. É um cara que sempre incentivou demais o cenário. Cara, se ele não existisse, se não tivesse Fallen no CS eu acho muito difícil que a gente ia ter um circuito dentro do Brasil de um nível alto. Óbvio que o CS brasileiro não é comparável com o que joga nos Estados Unidos ou na Europa mas, ainda assim, é um cenário bem organizado, é um cenário que tem muita gente jogando.

CP: Que tá crescendo.

BD: Que tá crescendo, que a gente vê empresas cada vez mais investindo em ter um circuito bonitinho. Eu acho que o Fallen foi a semente que gerou tudo isso. Ele, além de se preocupar com o resultado em game, sempre foi um cara preocupado com o trazer de volta algo pra comunidade. Ele sempre foi essa pessoa super carismática, sempre foi super solícito e foi investidor.

“Além da Gamer’s Club ele também tem a loja dele de periférico, que vende num preço mais acessível periféricos que ele mesmo usa. Ou seja, não é o teclado do Fallen que vai fazer você sair do prata. E também não é o motivo de você estar no prata. Ele é esse cara que investe no cenário das mais diferentes maneiras, seja como player, seja como empresário.”

Parte 2

CP: Maravilha. Se a gente tá falando de Fallen eu tenho que falar também do Coldzera, um cara que é parceiro do Fallen, algumas das maiores conquistas e que, na minha visão, pelo menos, ajudou o CS a extrapolar um pouco o nicho do esport e ganhar um pouco mais de atenção de quem talvez não acompanhasse o cenário competitivo. Quando ele ganhou lá no The Game Awards como o melhor atleta de esport do ano. Não só de CS mas de todas as categorias. Cê acha que o Coldzera pode também merecer esse título de maior brasileiro do esport da atualidade? Ele bate de frente com o Fallen?

AS: Bate. Ele tem também uma história incrível no CS. Ele tem jogadas históricas até que já virou grafite. Então ele é um nome muito forte mas eu acho que também, no momento atual ele não tá na sua melhor forma.

CP: Tá meio em baixa, o Cold.

BD: Tá nem jogando.

CP: Tá nesse momento de transição.

BD: Ele tá no banco da MBR e só por isso ele não merece entrar na discussão do 12 de agosto. Se ele fosse contratado daqui a 30 segundos pela FaZe —

AS: Aí mudava, né?

BD: Aí mudava. Acho que, óbvio que ele, em termos de skill ele é incomparável: o cara já foi duas vezes melhor do mundo. E ainda joga muito bem. Foi o único jogador da MBR que ficou no top 20 da HLTV no ano passado. Sempre foi esse cara que carrega o time. Então, mesmo sem estar jogando hoje é um cara que tem que entrar nessa discussão. Mas, já que tá sem time, não tá atuando de fato hoje, hoje.

AS: Atualmente.

BD: Ele não é o melhor jogador de esports do Brasil.

CP: Entendi: o Fallen ainda taria na frente dele.

BD: Sim.

Parte 3

CP: Maravilha. Vamos sair então um pouquinho do Counter Strike e do CS Go e explorar outros esports que são muito populares aqui no Brasil, como o League of Legends. Acho que, aqui, a figura que a gente mais pode destacar do LoLzinho nacional é o brTT. Né, Breno?

BD: Tá chato. [Risos dos três.]

BD: Cara, o brTT é com certeza a figura mais relevante do LoL brasileiro. Já ganhou uma porrada de CBLoL e joga muito bem até hoje.

CP: Durante muito tempo ele era conhecido como o Neymar do LoLzinho.

BD: O Neymar do LoLzinho. Hoje em dia ele faz até música. Mas enfim.

AS: Olha só.

BD: O Neymar fez música também. Cada vez mais próximos. Só que o brTT nunca teve uma grande relevância internacional. As performances do Brasil em campeonato internacional sempre foram bem ruins.

CP: É.

BD: Tipo, nunca chegou a passar de fase, pegar um play off da vida, que dirá ser campeão de alguma coisa. No máximo da Libertadores do LoL, esqueci o nome agora, Rift Rivals, acho e, comparado com a galera do CS, mesmo a galera do Rainbow Six, do Clash Royale, do CrossFire, acho que tá bem abaixo ainda. Se for pra zuar mesmo, em questão internacional o Junqueira já é mais relevante que o brTT.

Parte 4

CP: Grande Junqueira.

AS: Já vamos emendar então na discussão do Junqueira. Também do League of Legends, né?

AS: Sim.

CP: Qual é a diferença dele pro brTT, Angelo?

AS: Acho que ele tá com uma relevância internacional um pouco maior.

BD: Só pra contextualizar: o Junqueira foi contratado pela Cloud9, organização norte-americana, pra ser influenciador, num esquema meio parecido com o do Rakin, que foi pra Team Liquid. Mas ele começou a jogar no time Academy. Agora ele tá jogando bem.

CP: Tá indo bem.

BD: Eles conseguiram pegar algumas vitórias. Não tou acompanhando [com] afinco mas ele tá mandando bem. Só que, mesmo assim, é a segunda divisão. É o time de Academy da Cloud9: ele tá longe do tiro, ainda.

Parte 5

CP: Muito bem. A gente tem aí também um pouco do CS, do LoL. Vamos falar do último que a gente separou pra comentar que é o GuiFera, um cara que joga PES, também alto nível há muito tempo.

AS: É campeão mundial.

CP: Campeão mundial duas vezes.

AS: Duas vezes.

CP: Solo.

AS: E no trio.

CP: Em trio. No Coop. E também surge como referência: o cara que, desde que despontou no cenário nacional e internacional, tá sempre disputando.

AS: Ele tá bem. Ele tem alto nível já faz mais de dois anos, três. Eu acho que ele pode ser um dos principais candidatos pro nome porque ele joga muito bem PES, ele domina o jogo de uma maneira incrível. Ele demonstra, campeonato por campeonato, que ele continua no topo.

CP: Breno, pensando um pouco no PES também, de forma mais ampla, com um jogo competitivo, a gente vê que a Konami tem dedicado uma certa atenção, investimentos aqui pro Brasil. Ainda um mercado que tá crescendo, um cenário que tá crescendo.

BD: Agora eles tão em futebol.

CP: É, verdade.

BD: Eles colocaram o nome só pra mostrar o quão dedicado eles vão ser aos esports. Sim, a Konami, acho que é bem mais sólido do que nesse cenário de esports, pelo menos. Falando só dos esports acho que o competitivo do FIFA é mais bem estruturado. O GuiFera é um dos grandes nomes dele.

CP: Competitivo do PES.

BD: Competitivo do PES. Isso.

CP: Tá.

BD: O GuiFera é um dos grandes nomes desse cenário. Ele já foi campeão mundial duas vezes e, por estar na ativa hoje — o último título do Mundial dele foi um mês atrás.

CP: É bem recente.

BD: Bem recente. Então, cara, eu acho que, se for pra responder direto à pergunta desse vídeo, é o GuiFera o melhor jogador atualmente de esports no Brasil.

Parte 6

AS: Pra vocês, o GuiFera.

BD: Pra mim, o GuiFera.

AS: Concordo.

CP: Cê concorda, Angelo?

AS: Concordo. Pelo que ele vem conquistando aí e mostrando que ele realmente tá em alto nível há bastante tempo. Eu acho que ele merece esse título.

CP: Ainda mais com um novo PES vindo aí nas próximas semanas também.

BD: Sim.

CP: Acho que dá uma esquentada nesse cenário competitivo. Beleza, então aqui estão as nossas considerações neste dia 12 de agosto, por este debate, neste momento.

AS: Nada mais, nada menos.

CP: Nada em definitivo, não é um julgamento definitivo, é só a nossa opinião aqui, neste momento. GuiFera despontaria como um dos maiores brasileiros do esport na atualidade mas, claro, sem desmerecer todo o talento, todas as conquistas do Fallen, do Coldzera, do Junqueira, do brTT e de tantos outros craques em diversas modalidades. A gente nem falou aqui, sei lá, de Free Fire, Rainbow Six Siege.

AS: Tem muito jogo. Tem muita gente.

CP: Cash Royale.

BD: O primeiro que vai aparecer nos comentários tenho certeza que é o Nesk.

AS: É, o Nesk, grande nome.

BD: Que joga Rainbow Six na Team Liquid. Realmente é muito bom. Mas ele ganhou o Mundial, só uma Pro League no ano passado, se não me engano. Foi em 2018. E depois não ganhou mais nenhum título internacional. Ganhou o Brasileirão agora, só. Então, por mais que ele continue jogando muito, tá faltando um trofeuzinho.

CP: Ele é muito grande dentro da modalidade dele: vamos deixar claro. Mas acho que, aqui, pensando um pouco além, como ajudou o mercado nacional também, o próprio cenário competitivo brasileiro, acho que esses outros que a gente comentou talvez, atualmente, têm um pouco mais de força.

AS: É, um pouco mais de relevância dentro da nossa votação interna.

Parte 7

CP: Beleza. Essas então são as nossas considerações. A gente quer saber de você agora. Diz nos comentários quem faltou aqui na nossa lista. Sei que faltou um monte de gente. E quem que é, pra você, o melhor brasileiro do esport na atualidade. Diz aqui nos comentários.

CP: O que você acabou de ver é só um pedacinho da programação ao vivo do The Enemy no nosso canal da Twitch. Pra muito mais debates, game plays e entrevistas é só acompanhar de segunda a sexta, sempre no período da tarde e seguir a gente também nas redes sociais.

Quer seguir o eSport ao vivo e apostar nele?

Aviso Legal

© 2020

Obrigado por veres, partilha o meu blog com os teus amigos:

Facebook   Twitter